Mucormicose ou fungo preto: o que se sabe sobre essa infecção?

Uma infecção fúngica rara, mas grave, conhecida como mucormicose, e coloquialmente chamada como “fungo negro”, está sendo detectada com relativa frequência entre os pacientes com Covid-19 em alguns países. A doença geralmente se manifesta na pele, e afeta ainda os seios da face, os pulmões e o cérebro. Com uma série de casos de mucormicose detectados em Delhi, Maharashtra e Gujarat, especialistas da força-tarefa nacional indiana contra a Covid-19, divulgaram um comunicado baseado em evidências sobre a doença.

 

O que é a doença?

Embora rara, é uma infecção grave. É causada por um grupo de fungos conhecidos como mucormicetos, presentes naturalmente no meio ambiente. Afeta principalmente pessoas que estão tomando medicamentos para problemas de saúde, que reduzem sua capacidade de lutar contra patógenos ambientais, os imunossupressores, afirmam os especialistas da força-tarefa Covid-19.

Seios da face ou pulmões de tais indivíduos são afetados após a inalação de esporos de fungos no ar. Os médicos em algumas localidades, notaram um aumento nos casos de mucormicose entre pessoas hospitalizadas ou em recuperação de Covid 19, com alguns necessitando de cirurgia urgente. Normalmente, os mucormicetos não representam uma grande ameaça para as pessoas com um sistema imunológico saudável.

 

O que acontece quando alguém o contrai?

Os sintomas e sinais de alerta incluem dor e vermelhidão ao redor dos olhos ou nariz, com febre, dor de cabeça, tosse, falta de ar, vômitos com sangue, e estado mental alterado. De acordo com o comunicado, deve-se suspeitar de infecção por mucormicetos quando houver:

* Sinusite, com bloqueio ou congestão nasal, corrimento nasal (enegrecido/com sangue);

* Dor local na bochecha, dor facial unilateral, dormência ou inchaço;

* Descoloração enegrecida sobre a ponte do nariz/palato;

* Afrouxamento e dor nos dentes, envolvimento da mandíbula;

* Visão turva ou dupla com dor;

* Trombose, necrose, lesão de pele;

* Dor no peito, derrame pleural, agravamento dos sintomas respiratórios.

Os especialistas aconselham, que não se deve contar todos os casos de nariz entupido como casos de sinusite bacteriana, particularmente no contexto de imunossupressão e/ou pacientes com Covid-19 em uso de imunomoduladores. Portanto, não se deve hesitar em procurar investigações mais agressivas para detectar infecções fúngicas, eles aconselham.

 

Quem é vulnerável

Os grupos vulneráveis ​​incluem pessoas que têm problemas crônicos de saúde, ou tomam medicamentos que diminuem a capacidade do corpo de combater germes e doenças, como quimioterápicos e imunossupressores. Isso inclui pessoas com diabetes, câncer ou pessoas que fizeram um transplante de órgão.

 

Diagnóstico

Depende da localização da infecção suspeita. Uma amostra de fluido do sistema respiratório pode ser coletada para teste no laboratório; caso contrário, pode ser realizada uma biópsia de tecido ou uma tomografia computadorizada dos pulmões, seios da face ou do cérebro.

 

Qual é o tratamento?

Embora seja tratada com antifúngicos, a mucormicose pode eventualmente exigir cirurgia. Os médicos disseram que é de extrema importância controlar o diabetes, reduzir o uso de esteroides, e interromper o uso de drogas imunomoduladoras. Deve-se manter a hidratação sistêmica adequada, pois o tratamento inclui infusão de soro fisiológico endovenoso, antes da infusão de anfotericina B e terapia antifúngica, por pelo menos 4-6 semanas.

Os especialistas da força-tarefa enfatizaram a necessidade de controlar a hiperglicemia e monitorar o nível de glicose no sangue, após a alta por tratamento para a Covid-19, e em diabéticos. Deve-se usar esteróides criteriosamente, onde o momento correto, a dosagem correta e a duração, são extremamente importantes.

O manejo de pacientes de Covid-19 com mucormicose é um esforço de equipe envolvendo microbiologistas, especialistas em medicina interna, neurologista, intensivista, especialistas em otorrinolaringologia, oftalmologistas, dentistas, cirurgiões (maxilofacial/plástico), dentre outros.

 

Vida após a cirurgia para mucormicose

A mucormicose pode levar à perda da mandíbula superior e, às vezes, até do olho. “Os pacientes precisariam chegar a um acordo com a perda de função devido à falta de mandíbula. com dificuldade para mastigar, engolir, comprometimento da estética facial e perda de autoestima, dizem os médicos. Seja o olho ou o maxilar superior, eles podem ser substituídos por substitutos artificiais ou próteses adequadas. Embora a substituição protética das estruturas faciais ausentes, possa começar assim que o paciente se estabilizar após a cirurgia, os médicos precisam mostrar a importância de tranquilizá-lo sobre a disponibilidade de tais intervenções, em vez de deixá-lo em pânico, com a perda inesperada e repentina, aumentando um transtorno de estresse pós-Covid-19, que já é uma realidade”, disse o Dr. B. Srinivasan, um cirurgião maxilofacial. “A reconstrução protética pode ser realizada após a cirurgia, mas soluções provisórias devem ser planejadas, antes mesmo da cirurgia das mandíbulas, por melhores resultados em longo prazo. A reconstrução protética pode garantir que a cura não seja mais terrível do que a própria doença”, afirmou.

 

Como prevenir?

É preciso lembrar que é uma doença rara. No entanto, alguns grupos de pessoas são mais vulneráveis do que outros. O que predispõe os pacientes é diabetes mellitus não controlado, imunossupressão por esteroides, permanência prolongada na UTI e comorbidades, como pós-transplante, malignidade, terapia com voriconazol.

Os especialistas aconselham o uso de máscaras se estiver visitando canteiros de obras empoeirados. Use sapatos, calças compridas, camisas de mangas compridas e luvas, ao manusear o solo (jardinagem), musgo ou esterco. Mantenha a higiene pessoal, incluindo um banho com esfoliação completa.

 

Com que frequência os casos são detectados?

Embora os casos estejam aumentando, não houve nenhum grande surto. Em Maharashtra, o Dr. Tatyarao Lahane, chefe da Diretoria de Educação Médica e Pesquisa, disse que os casos de mucormicose estão aumentando. “Tradicionalmente, vemos um caso a cada poucos meses, geralmente em pacientes diabéticos e imunocomprometidos mal controlados”, disse o Dr. Parikshit Gogate, consultor oftalmologista da Ruby Hall Clinic, Pune. “Mas nas últimas 2 a 3 semanas, vi quase 25-30 deles, principalmente em Ruby Hall, alguns no Hospital D Y Patil.”

A mucormicose que se desenvolve no cenário pós-Covid-19, quebra a espinha dorsal da família de um paciente, que mal se recupera dessa infecção viral, escreveu o consultor de doenças infecciosas em Pune, o Dr. Rajeev Soman no Journal of Association of Physicians of India em janeiro deste ano. Os pacientes mais vulneráveis ​​à mucormicose são aqueles que foram tratados com esteróides e outros medicamentos para Covid 19, para reduzir a inflamação. Esforços estão em andamento para coletar dados para a realização de grandes estudos pelo Fungal Infections Study Forum e Clinical infecious Diseases Society, disse o Dr. Soman.

 

Referente ao artigo publicado em Indian Express

 

 

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a nossa NewsLetter para receber conteúdos e a RD do Jornal do Médico https://bit.ly/3araYaa

Share this post


Send this to a friend